"Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele."
Lc 20,38 (32 TC - Ano C)
A Boa Notícia se fez site    ★       ★   Tempo Comum

Avisos e Recados

Memória de São Carlos Borromeu

   A Igreja celebra hoje São Carlos Borromeu, padroeiro de nossa Diocese.

   Um dos homens mais eminentes do século XVI e um dos primeiros e mais visíveis frutos das reformas tridentinas, São Carlos Borromeu tornou-se cardeal com apenas 21 anos, além de ser secretário do Papa Pio IV. Foi peça-chave no Concílio de Trento e na implantação dos seus decretos, destinados a renovar a santidade da vida sacerdotal e defender a ortodoxia católica contra a crise de fé e disciplina originada pela revolução protestante.

   Carlos Borromeu nasceu no dia 2 de outubro de 1538, no castelo de sua família, na cidade de Arona, perto de Milão, Itália. Seu pai foi o milionário conde Gilberto Borromeu e sua a mãe se chamava Margarida de Médicis. Ela pertencia à mesma família nobre e influente na sociedade italiana e na Igreja, sendo Carlos o segundo filho.

   Os pais de Carlos Borromeu seguiram o hábito da época: entregaram-no para o serviço de Deus quando ele completou doze anos. Por uma grande felicidade, o menino tinha grande vocação religiosa e encontrou-se muito feliz no caminho do serviço a Deus. Além disso, era penitente, cheio de piedade e caridoso para com todos os pobres.

   Carlos Borromeu tornou-se um estudioso aplicado e se destacou pela inteligência e sabedoria. Diplomou-se em direito canônico com apenas 21 anos. Um ano depois, entusiasmado com a fé e com grande ardor missionário, ele funda uma Academia para estudos religiosos. Essa academia teve total aprovação da Santa Sé.

   Ele era sobrinho de Pio IV e isso o estimulava a seguir adiante no caminho da fé e não nas glórias humanas: queria viver uma vida afastada, como monge. Porém, por causa de sua sabedoria e inteligência, com apenas 24 anos já era sacerdote e já tinha sido sagrado bispo de Milão. No cargo, ajudou a organizar a igreja e dedicou-se à evangelização.

   Sentindo-se bastante atraído pela vida monástica e contemplativa, São Carlos Borromeu pensou seriamente em renunciar a seu cargo à frente da arquidiocese. Porém, seu amigo, o Venerável D. Frei Bartolomeu dos Mártires, então arcebispo de Braga, conseguiu dissuadi-lo dessa ideia. D. Bartolomeu o ajudou a perceber que, naquele século, repleto de maus exemplos dados pelo alto Clero, seria melhor que ele, um nobre, vindo de família milionária e sobrinho do Papa, desse um exemplo de vida pobre, humilde e santa como arcebispo. São Carlos Borromeu viu neste conselho a vontade de Deus e acatou, permanecendo arcebispo de Milão.

   Seguindo os conselhos de Jesus e os de seu amigo D. Frei Bartolomeu, São Carlos Borromeu foi utilizando todos os seus bens (e eram muitos!) na construção de hospitais, albergues para os pobres, casas de formação para os sacerdotes e religiosos. Além disso, teve atuação forte no Concílio de Trento e levou adiante as reformas sugeridas por tal Concílio.

   Promoveu a adoção de disciplina mais rígida para os padres e religiosos. Com isso, criou hostilidades com aqueles que não estavam dispostos a abrir mão de privilégios. Porém, não se preocupava com isso. Por causa da disciplina que instaurou para o clero, São Carlos Borromeu chegou a ser vítima de um atentado, enquanto estava em oração em sua capela. Saiu ileso, porém, e perdoou generosamente aquele que atentara contra sua vida.

   Em 1576, a peste negra chegou a Milão. Milhares de pessoas morreram. Mais de cem padres também faleceram, contaminados pela peste quando ajudavam os doentes. São Carlos Borromeu foi bastante atuante em meio a essa mortandade. Visitava e dava assistência a todos os contaminados que conseguia. Levava a eles os sacramentos da Igreja e o consolo da fé, no meio da dor e do sofrimento. Não tinha receio nem precauções ao se misturar com os doentes. Sofrendo por ver tantas mortes de inocentes, flagelou-se em praças públicas pedindo perdão a Deus, exercendo seu sacerdócio em nome de seu povo.

   Este trabalho incansável, no entanto, consumiu suas forças. Tanto que, um dia, a febre o pegou. Ela não o matou de vez, mas tirou-lhe as forças, minou seu corpo lentamente. Depois disso, conseguiu fazer muito menos e, alguns anos depois, faleceu com apenas quarenta e seis anos. Antes de morrer, proclamou-se feliz por ter seguido, em toda a sua vida, os ensinamentos de Cristo e pela graça de poder encontrar-se com o Senhor de coração puro. Faleceu em 4 de novembro de 1584, estando em sua sede episcopal. Sua canonização foi celebrada pelo Papa Paulo V, em 1610.

 

Oração a São Carlos Borromeu

“Ó Deus, que aos vossos pastores associastes São Carlos Borromeu, animado de ardente caridade e da fé que vence o mundo, dai-nos, por sua intercessão, perseverar na caridade e na fé, para participarmos de sua glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém. São Carlos Borromeu, rogai por nós.”

 

Oração feita por São Carlos Borromeu dirigida ao Anjo da Guarda

“Meu bom Anjo da Guarda, não sei quando e de que modo irei morrer. É possível que eu seja levado de repente ou que, antes do meu último suspiro, eu me veja privado das minhas capacidades mentais. E há tantas coisas que eu quereria dizer a Deus, no limiar da Eternidade... Por isso hoje, com a plena liberdade da minha vontade, venho pedir, Anjo da minha guarda, que faleis por mim nesse temível momento. Direis, então, ao Senhor, meu bom Anjo da Guarda:

- Que quero morrer na Santa Igreja Católica Apostólica Romana, no seio da qual morreram todos os santos, depois de Jesus Cristo, e fora da qual não há salvação.

- Que peço a graça de participar nos méritos infinitos do meu Redentor e que desejo morrer pousando meus lábios na Cruz que foi banhada com o Seu Sangue.

- Que me aborreço e detesto os meus pecados que ofenderam a Jesus e que, por amor a Ele, perdoo os meus inimigos, como eu próprio desejo ser perdoado.

- Que aceito a minha morte como sendo da vontade de Deus e que, com toda a confiança, me entrego ao Seu amável e Sacratíssimo Coração, esperando em toda a Sua misericórdia.

- Que, no meu inexprimível desejo de ir para o Céu, me disponho a sofrer tudo quanto a Sua soberana Justiça haja por bem infligir-me.

Não recuseis, ó Santo Anjo da minha guarda, ser o meu intérprete junto de Deus e expor diante dEle que estes são os meus sentimentos e a minha vontade. Amém.”

•  Leia outros avisos e recados
  • Diocese São Carlos
  • Bem-vindo à sua casa!

    Assista ao vídeo

  • Agenda Fixa da Paróquia
PARÓQUIA DE SÃO SEBASTIÃO - JAÚ
Rua São Sebastião nº 30 - Centro - CEP: 17210-060 - Jaú/SP
Telefones: (14) 3622-2814  /  (14) 3626-4000   •   E-mail: secretaria@saosebastiaojau.com.br